Simone Tebet diz que indícios de rachadinha deve dar origem à nova CPI
08/09/2021 08:09 em Politica

Senadora afirma que descobertas da comissão vão além de erros do governo federal durante a pandemia

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que as investigações da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid podem dar origem à nova apuração, dessa vez sobre esquema de rachadinhas. A congressista faz parte bancada feminina da comissão.

“Nós temos, sim, condições de entregar o relatório para aquilo que foi o objeto principal. Mas, no meio do caminho, apareceram várias pedras, vários esquemas e a cada dia aparecem outros. Enquanto estamos fechando essas caixinhas, outras surgem”, declarou a senadora em entrevista ao jornal Correio Braziliense, publicada nesta 4ª feira (8.set.2021).

Segundo Tebet, a CPI da Covid está agora focada em finalizar os trabalhos.

“Paralelamente a isso e, muito mais grave, é que a CPI pode dar margem a uma outra CPI, por conta dos personagens –principalmente esse Marconny [Faria], ligado à advogada do presidente [Karina Kufa], que tem relação com o filho 04 [Jair Renan Bolsonaro]”, falou.

Reportagem da Folha de S.Paulo publicada em 1º de setembro mostra que Jair Renan teve auxílio de Marconny Faria para abrir empresa.

Faria é advogado da Precisa Medicamentos. Mensagens obtidas em investigação do MPF-PA (Ministério Público Federal do Pará), em posse da CPI, mostram que ele encaminhou um passo a passo para fraudar uma disputa de dispensa de licitação do Ministério da Saúde a José Ricardo Santana, ex-secretário da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Senadores veem Faria e Santana como lobistas posicionados em ambas as pontas do processo de contratação pública.

“Podemos estar diante também de novos esquemas de corrupção, não ligados à pandemia e relacionados a rachadinhas. Isso vai significar, provavelmente, que o Congresso abra outras CPIs, como a CPI da Rachadinha –pode envolver o senador [Flavio Bolsonaro], que manteria o esquema mesmo exercendo o atual cargo”, afirmou Tebet.

Flávio Bolsonaro foi denunciado no ano passado pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, apropriação indébita e peculato (uso de dinheiro público para fins pessoais). A denúncia ainda não foi aceita pelo TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro).

A investigação mira repasses de salários de servidores do antigo gabinete de Flávio na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) ao ex-assessor Fabrício Queiroz, prática conhecida como rachadinha.

CPI DA COVID

Simone Tebet afirmou que a CPI tem “a confirmação da omissão dolosa do governo federal na condução da pandemia, no atraso da compra de vacinas eficazes e eficientes, na omissão de um planejamento e coordenação nacional, que é de responsabilidade exclusiva da União”.

Além disso, a senadora disse que a comissão conseguiu verificar a existência de um “propinoduto” que envolve políticos e militares e é muito próximo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“São crimes de corrupção contra a administração pública, em uma tentativa de superfaturar vacinas desconhecidas. Envolve pagamento antecipado em paraíso fiscal, sem ter a certeza de que receberíamos essas vacinas”, declarou.

“Pior ainda, com a garantia de um avalista que se daria por um banco que não é banco, que tem um capital social em imóveis que não existem.”

Segundo a senadora, a CPI quer descobrir possíveis sócios ocultos do esquema. “Se não conseguirmos descobrir, obviamente, que a Justiça o fará” disse.

“O esquema foi desbaratado. O modo de fazer, o modus operandi que vai ser investigado pelo Ministério Público, vai ficar claro. Essa forma de fazer corrupção, de superfaturar, de cometer crimes contra a administração pública, nenhum governo vai mais poder fazer, porque isso foi, obviamente, revelado ao país.”

Foo:Sérgio Lima

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!