Centro de alerta de desastres avisou que nível de chuvas não era seguro
08/10/2021 08:05 em Segurança

Apesar de informado, governo demorou para agir, segundo chefe de pesquisa federal

O Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) e o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) alertaram o governo no início do 2º trimestre deste ano sobre a seca. Segundo José Antonio Marengo, climatologista e coordenador de pesquisa e desenvolvimento do Cemaden, o governo federal sabia que haveria um longo período de estiagem no Centro-Sul, onde ficam a maior parte das hidrelétricas do país.

“Nós já tínhamos anunciado, a partir de abril, maio, de que estávamos entrando em uma estação de estiagem; e as chuvas de 2020 foram fracas, já estávamos em situação de atenção. Os relatórios falavam que não estávamos em um nível seguro”, afirmou Marengo ao UOL, em entrevista publicada nesta 6ª feira (8.out.2021).

O Cemaden é um órgão federal que tem como objetivo a prevenção e gerenciamento governamental em eventuais desastres naturais. Entre esses desastres está o nível de chuvas e a possibilidade de secas.

“A crise hídrica não é só falta de chuva, mas também gerenciamento — e isso vem dos governos. Por isso a gente fala: a ciência forneceu as previsões todas, mas o governo esperou a última hora para fazer racionamento e cortes.”

Segundo Marengo, a ação que o governo tomou a tempo foi o acionamento das termelétricas. Esse tipo de energia é mais poluente e mais caro. O governo acionou todas as usinas termelétricas em maio para evitar o racionamento.

Mas, para ele, o Brasil não colocou em prática o que o apagão de 2001 mostrou sobre os riscos do sistema de energia do país. “O problema no Brasil é que a prevenção não é uma cultura. Depois do desastre é que o pessoal age”, afirmou. Apesar das reuniões e planejamento, faltou a implementação das medidas, segundo o pesquisador.

Nesse cenário, o risco de racionamento de energia e água ainda está no radar de Marengo. O problema seria a irregularidade das chuvas, o que vem sendo registrado desde 2020.

“Quando fazemos uma previsão é para toda a estação, não é para um mês. Isso tem um certo grau de complexidade”, disse. “Parece que está se formando a situação ideal para chuva, mas depois isso para.”

As afirmações do coordenador do Cemaden diferem das do diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Carlos Ciocchi. Ele descarta a possibilidade de racionamento e de apagão.

Mas Marengo afirmou que a previsão de chuvas para a próxima estação ainda é uma incógnita. Para ele, o alerta máximo deve continuar para a situação hídrica e energética brasileira.

“Esse momento é de precaução, até porque, se começar a chover normalmente, teria de chover muito para poder afastar o problema da crise hídrica, encher reservatórios —e ainda não temos esse tipo de informação. O problema não é só saber quando vai começar a chover, mas como vai chover.”

Foto:Tony Winston

 

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!